quarta-feira, julho 24, 2024
- Publicidade -

Conheça novo estudo sobre o biometano para descarbonização do transporte 

- Publicidade -

Pesquisa da Iveco e CNR confirmam que o biometano comprimido pode reduzir em até 96% as emissões de gases do efeito estufa na coleta de resíduos. Destacando seu papel crucial na descarbonização do transporte. Este estudo interessa muito ao Brasil, pois temos potencial para liderança a produção de biometano no mundo. 

A princípio, uma análise conduzida pelo Conselho Nacional de Pesquisa Italiano (CNR), em parceria com a IVECO. Confirma o bio-GNC como a solução ideal para a coleta de resíduos — o exemplo de economia circular “do poço à roda”. 

Leia também:

Fabet-SP abre inscrições para 2ª edição do curso Gestão em Segurança de Transporte de 2024

A saber, a Iveco promoveu um estudo realizado pelo Instituto de Poluição Atmosférica do Conselho Nacional de Pesquisa Italiano (CNR). Para avaliar os impactos ambientais do uso de biometano comprimido derivado da fração orgânica de resíduos sólidos urbanos (OFMSW). Comparando-o com combustíveis tradicionais (diesel e gás natural comprimido) usados em veículos destinados à coleta de resíduos em áreas urbanas. 

O cenário de referência para o estudo foi o mercado italiano, caracterizado por uma ampla distribuição de postos de abastecimento de GNC devido ao grande número de veículos movidos a metano – entre os mais altos da Europa. A análise foi do tipo “do poço à roda”, ou seja, considerou os impactos da produção e uso de um combustível, sem levar em conta a construção ou manutenção das plantas e infraestrutura, a fim de proporcionar uma comparação pura dos próprios combustíveis. A análise também explorou a contribuição da captura de CO₂ na cadeia de produção e a contribuição da mistura energética usada para alimentar os vários processos industriais. 

Leia a edição 41 da revista Frota News:

Frota News
Edição comemorativa

Forte redução das emissões

Os resultados do estudo revelam o papel potencialmente decisivo do biometano comprimido para a descarbonização transporte e para a redução da poluição do ar em áreas urbanas. No setor analisado, o biometano comprimido pode levar a uma redução de gases que alteram o clima em até 96% em comparação ao diesel, e uma redução de emissões de óxido de nitrogênio de até 72%. Essas fortes reduções podem certamente contribuir para atingir os objetivos de neutralidade de carbono definidos em nível europeu. 

Entre todos os cenários examinados, os melhores resultados foram obtidos quando se considerou todas as etapas da cadeia de produção do biometano comprimido. Desde o gerenciamento do OFMSW (fração orgânica de resíduos sólidos urbanos) até a digestão anaeróbica, atualização, captura de CO₂, compressão do biometano e reabastecimento do veículo, ocorreram no mesmo local, abastecendo todos os processos por meio da energia produzida pela combustão do biogás gerado no local. Isso tem um impacto muito positivo para a descarbonização do transporte.

Giandomenico Fioretti, chefe de Desenvolvimento de Negócios de Propulsão Alternativa da IVECO, declarou:  

“Temos a honra de apoiar a pesquisa em tecnologias sustentáveis que são realmente capazes de nos ajudar a atingir a descarbonização de forma eficaz e produtiva. Na Iveco, sempre acreditamos nos benefícios do biometano, um recurso tecnologicamente maduro para toda a nossa gama e múltiplas missões dos nossos clientes. O estudo liderado pelo CNR confirma ainda mais que o uso do bio-GNC é uma solução ambientalmente sustentável e pode gerar uma economia circular altamente desejável. Extraindo valor de resíduos e matéria orgânica para fornecer combustível para a coleta de resíduos em si, sem comprometer as capacidades de missão dos veículos.” 

Nos siga no LinkedIn!

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui