sábado, maio 25, 2024

VWCO: A VANTAGEM DE TER NASCIDO E CRESCIDO NO BRASIL, E SAIR PARA O MUNDO

O mercado de veículos de caminhões e ônibus na Argentina no acumulado deste ano (janeiro a maio) foi de 12.636 unidades, sendo 11.122 caminhões e 3.088 veículos de passageiros (ônibus e micro-ônibus) segundo a ANFAC (associação que representa os fabricantes). O mesmo setor, no Brasil, emplacou 54.210 veículos dos mesmo segmentos, sendo 44.663 caminhões e 9.547 ônibus e micro. Neste artigo, entenda porque a VWCO é resiliente para realizar a expansão internacional que está fazendo e, a notícia mais recente, é a construção de uma fábrica na Argentina, um ambiente de negócios que, dificilmente, um fabricante norte-americano, europeu, chinês ou sul-coreano faria. Mas a VWCO está fazendo. Entenda o porquê!

O mercado da Argentina equivale a 23,27% do brasileiro. É o segundo maior mercado da América do Sul, pois os outros países, por não ter indústrias locais e, por isso, protecionismo, países, como o Chile, têm as portas abertas aos fabricantes da Ásia, Estados Unidos e Europa por serem menos burocráticos do que o Brasil, que possui uma legislação tributária que dificulta a competitividade internacional.

A VWCO é uma empresa que nasceu no Brasil, mesmo pertencendo ao capital internacional, mas, por ser brasileira, acostumada a ambientes desafiadores. Isso a faz ela ser o que é hoje, exportando para mais de 30 países de economias difíceis. Esta experiência a torna capaz para abrir uma fábrica em quase qualquer países do Hemisfério Sul.

Leia também: CEO DO GRUPO TRATON, COM MARCAS COMO VWCO E SCANIA, COMENTA SOBRE RESULTADOS DE 2023

Produção comercial começa em 2024

Mesmo neste ambiente, a Volkswagen Caminhões e Ônibus está investindo em uma nova fábrica na Argentina. O primeiro caminhão Volkswagen acaba de deixar a nova área exclusiva para a montagem de veículos comerciais do Centro Industrial de Córdoba, na Argentina. O veículo, um VW Delivery 11.180, será utilizado na validação do processo de manufatura e para o treinamento de colaboradores. Depois fará parte da frota que vai rodar em testes pelo país. O acordo anunciado pela Volkswagen Caminhões e Ônibus e a Volkswagen Group Argentina em dezembro de 2022 prevê a fabricação de cinco modelos da marca naquele país a partir de 2024.

“A Argentina, mercado em que estamos presentes há 25 anos, em breve se somará aos países que já produzem caminhões e ônibus Volkswagen: Brasil, México, África do Sul e Filipinas. Nosso processo de internacionalização visa prospectar e consolidar a presença em novos mercados, além de liderar vendas em países nos quais já atuamos”, explica Antonio Roberto Cortes, presidente e CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Autor

América do Sul
Jornalista Marcos Villela (MTB 6.458/MG) atua no setor da mobilidade de cargas e pessoas desde 1989 e é sócio-fundador da plataforma de informações e consultoria Frota News. Já atuou em editorias de veículos de jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, foi editor da revista Transporte Mundial por 21 anos, diretor de redação do núcleo de revistas da filial brasileira do grupo alemão de revistas especializadas Motorpresse, e conta ampla experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em diversos países. É o representante do Brasil, como membro associado, na entidade internacional sem fins lucrativos ITOY (International Truck of the Year). Ela reúne jornalistas técnicos em transporte dos 34 maiores mercados do mundo para troca de experiências, conhecimento e conteúdos jornalísticos.
Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui