quarta-feira, maio 22, 2024

Renault Kwid vs. Fiat MobiI: qual o melhor para a sua frota?

Fiat Mobi e Renault Kwid estão entre os 11 veículos mais vendidos para CNPJ, ou seja, para frotistas em sua maioria. São duas das mais opções mais baratas e, mesmo com suas limitações em espaço interno e desempenho, eles atendem muito bem diversos tipos de operações com bastante economia em consumo. Em uma viagem de pouco mais de 100 km, um deles na Região Metropolitana de Belo Horizonte apresentou o impressionante consumo de 22,7 km/l. No final do artigo, apresentamos os números de emplacamentos de vendas diretas de cada modelo nos oito primeiros meses de 2023.

Motor e transmissão

O motor Fire Evo do Mobi é uma evolução do antigo motor Fire. No entanto, o modelo não conta mais com a opção do motor Firefly 1.0 de três cilindro, atualmente, disponível para no Fiat Argo. Dessa forma, isso coloca ele em desvantagem com o motor 1.0 de 3 cilindros e 12 válvulas do Renault Kwid. O pequeno francês traz um propulsor em alumínio com injeção multiponto e refrigeração por circuito de água sob pressão, com mais torque, favorecendo a sua economia e melhor desempenho em arrancadas, aclives e no uso prolongado.

Fiat Mobi 1.0 Renault Kwid 1.0
Seu motor com 4 cilindros em linha, com 999,1 cm³ de cilindrada e 13,0:1 de taxa de compressão. Ele entrega 71 cv de potência máxima com gasolina e 74 cv com etanol, ambos a 6.000 rpm. O torque máximo é de 9,3 kgfm com gasolina e 9,7 kgfm com etanol, ambos a 3.250 rpm. O cabeçote tem 2 válvulas por cilindro e um eixo de comando de válvulas.   O motor conta com 3 cilindros em linha, 12 válvulas, injeção multiponto e bicombustível, podendo funcionar com etanol ou gasolina. Ele também tem um sistema de refrigeração por água sob pressão, que evita o superaquecimento. A potência máxima é de 71 cv com etanol e 68 cv com gasolina, a 5.500 rpm, e um torque máximo de 10,0 kgfm com etanol e 9,4 kgfm com gasolina, a 4.250 rpm.

Transmissão

O câmbio do Mobi tem uma primeira marca mais curta, compensando o menor torque do motor em arrancadas, principalmente, com o carro carregado e em aclives. A relação da última marcha de ambos é overdrive — quando a relação final é menor do que a rotação do motor, favorecendo a economia de combustível.

Fiat Mobi 1.0 Renault Kwid 1.0
Câmbio manual: cinco marchas à frente e uma à ré 1ª 4,273 2ª 2,429 3ª 1,520 4ª 1,029 5ª 0,756 Ré 4,200 Diferencial 4,400 Tração: Dianteira Câmbio manual 5 velocidades Relação de marchas 1ª 3,769:1 2ª 2,048:1 3ª 1,290:1 4ª 0,949:1 5ª 0,791:1 Ré 3,090:1 Diferencial 4,214:1 Tração dianteira

Freio

Ambos os modelos possuem sistemas similares de freios. Em suma, os freios dianteiros são do tipo disco ventilado, que dissipam melhor o calor gerado pela fricção e oferecem maior eficiência. Os freios traseiros são do tipo tambor, sendo mais simples e econômicos, mas também menos potentes que os discos.

Suspensões

A suspensão dos dois compactos segue um tipo tradicional adotada em veículos de entrada, com características de projeto mais simples, mais barato e mais leve, mas que atende a função de forma satisfatória. A suspensão dianteira do veículo é composta por um sistema McPherson com rodas independentes, que permite maior estabilidade. Os braços oscilantes inferiores transversais e a barra estabilizadora ajudam a controlar a inclinação da carroceria nas curvas. Os amortecedores hidráulicos e as molas helicoidais absorvem os impactos do solo e garantem uma boa aderência das rodas.

A suspensão traseira é formada por um eixo de torção com rodas semi-independentes, que oferece uma boa rigidez torsional e um baixo peso. Enquanto, os amortecedores hidráulicos e as molas helicoidais também atuam na suspensão traseira.

Rodas e pneus

O Fiat Mobi oferece pneus um pouco maiores do que o Renault Kwid. Ambos, igualmente, adequados para veículos pequenos, mais leves, com menor resistência de arrasto e de baixo valor na hora da reposição. Desse modo, a escolha das medidas pelo fabricante segue a cartilha de busca de um equilíbrio entre segurança, peso, economia e menor consumo de combustível.

Fiat Mobi 1.0 Renault Kwid 1.0
A medida das rodas é de 5,5JX14”, o que significa que elas têm 5,5 polegadas (13,97 cm) de largura e 14 polegadas (35,56 cm) de diâmetro. Os pneus que acompanham as rodas são do tipo 175/65 R, ou seja, têm 175 milímetros de largura, 65% de altura em relação à largura sendo radiais. Os pneus e rodas têm as medidas 165/70 R14. Os pneus têm uma largura de 165 mm, uma altura de 70% da largura e um diâmetro de 14 polegadas (35,56 cm).

 Capacidades e pesos

Contudo, o peso em ordem de marcha é o peso do veículo como sai de fábrica, sem acessórios, ocupantes e carga. O espaço do Renault é quase um terço maior do que o do Fiat, porém, ambos são apenas para pequenos volumes. Porquanto, o tanque de combustível é maior no Mobi, aumentando a sua autonomia.

Fiat Mobi 1.0 Renault Kwid 1.0
O veículo tem um peso a partir de 961 kg. Ele pode levar até 400 kg de peso, somando pessoas e carga no compartimento traseiro ou em um reboque sem freio. O tanque tem capacidade de 47 litros, medida próxima ao padrão do segmento de compactos. No caso do modelo francês, o peso em começa 818 kg.  O nosso carro possui um porta-malas com 290 litros de volume. O tanque de combustível também é bastante compacto, com capacidade para apenas 38 litros.  

Medidas

Fiat Mobi 1.0 Renault Kwid 1.0
O comprimento é de 3.596 mm, a largura é de 1.666 mm e a altura é de 1.523 mm. A distância entre-eixos é de 2.304 mm, garantindo uma boa estabilidade. As bitolas dianteira e traseira são de 1.403 mm e 1.408 mm, respectivamente. A altura mínima do solo é de 177 mm, o que permite transitar em terrenos irregulares. O Kwid tem comprimento de 3.731 mm, largura de 1.579 mm (com retrovisores rebatidos), altura de 1.479 mm (sem barras de teto) e entre-eixos de 2.423 mm. Além disso, ele conta com uma altura livre do solo de 185 mm, que garante maior capacidade de superar obstáculos.

Desempenho e consumo

Então, o Renault Kwid mostrou um desempenho muito acima do esperado em um teste de consumo de combustível entre Lagoa Santa e Nova Lima, percorrendo mais de 100 km. Dessa forma, o carro, movido a gasolina, registrou uma média de 22,7 km/l, bem superior à do INMETRO. Ademais, mesmo nas medições do órgão governamental, o Kwid é mais econômico.

Fiat Mobi 1.0 Renault Kwid 1.0
O desempenho do carro é satisfatório para a sua categoria, com uma velocidade máxima de 151 km/h quando abastecido com gasolina e 152,2 km/h quando abastecido com etanol. O carro também acelera de 0 a 100 km/h em 15,8 segundos com gasolina e 14 segundos com etanol, mostrando uma boa agilidade no trânsito. O carro tem um desempenho razoável nas estradas, com uma velocidade máxima de 159 km/h quando abastecido com gasolina e 160 km/h quando abastecido com etanol. A aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 13,5 segundos com gasolina e 13,2 segundos com etanol, mostrando uma pequena vantagem do combustível vegetal sobre o fóssil.
Os valores médios de consumo, decerto, segundo o INMETRO, para cada tipo de ciclo são: ciclo urbano: 13,5 km/l (gasolina) / 9,6 km/l (etanol); ciclo estrada: 15,0 km/l (gasolina) / 10,4 km/l (etanol). O Kwid, também segundo o INMETRO, consome 10,8 km/l na cidade com etanol e 15,3 km/l com gasolina, tem um consumo médio de 13,05 km/l. Na estrada, esse mesmo veículo consome 11,0 km/l com etanol e 15,7 km/l com gasolina.

Leia também:

TRICICLO PIAGGIO APÉ CARGO É NOVA SOLUÇÃO PARA ENTREGAS URBANAS

Mercado e preço

O Fiat Mobi e o Renault Kwid são ambos reconhecidos por manterem um bom valor de revenda. Dessa forma, o Fiat Mobi ganhou o prêmio “Maior Valor de Revenda” na categoria “Entrada” com uma valorização de 8,6% em 2022. Por outro lado, o Renault Kwid também foi eleito vencedor do selo “Maior Valor de Revenda”, na categoria “Entrada”, com um índice de valorização de 14,5% em 2021.

Segundo a pesquisa Fipe, o preço médio do Fiat Mobi, versão Like, em setembro é de R$ 68.900; e o do Renault Kwid 1.0, versão Zen, de R$ 66.395. Certamente, são os preços médios praticados no mercado e já com descontos, e não da tabela dos fabricantes. Ademais, o valor também varia entres os estados devido à variação do ICMS, o imposto estadual.

Desvalorização

De acordo com um relatório da KBB, uma empresa especializada em preços de carros, o Fiat Mobi terminou o ano anterior com um valor cerca de 14% maior do que no início de 2021. Primordialmente, este é um resultado melhor do que seu principal rival, o Renault Kwid, que perdeu valor -0,5%, para ser mais preciso. Portanto, parece que o Renault Kwid desvaloriza mais do que o Fiat Mobi.

Por fim, uma análise comparativa entre o Fiat Mobi e o Renault Kwid revela que ambos os modelos têm vantagens e desvantagens no mercado. O Fiat Mobi se destaca por ter um maior valor de revenda, conforme atestado por prêmios e relatórios de especialistas. No entanto, o Renault Kwid, por sua vez, tem um menor custo de aquisição e manutenção, além de oferecer mais espaço interno e itens de segurança. No entanto, o Renault Kwid também sofre com a desvalorização mais acentuada do que o Fiat Mobi, o que pode afetar o bolso do consumidor na hora da revenda. Assim, a escolha entre os dois depende dos critérios e das preferências de cada um.

Ranking de vendas diretas acumulado de 2023

 4º — Fiat Mobi: 26.591 unidades

 11º — Renault Kwid: 16.595 unidades

Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui