domingo, maio 19, 2024

Mercedes-Benz Trucks Classic: como o caminhão Daimler de 1899 moldou o futuro do transporte

A terceira versão do primeiro caminhão do mundo de 1896 faz parte da Mercedes-Benz Trucks Classic Collection. Este é o caminhão Daimler de 1899 com acionamento cardã, construído pela Daimler-Motoren-Gesellschaft, Cannstatt.

O caminhão, que na época ainda funcionava com gasolina da farmácia, havia sido acionado, inicialmente, três anos antes em Cannstatt. O carro em si tinha apenas 13 anos na época.

Carros e caminhões eram extremamente raros nas estradas naquela época. As carruagens puxadas por cavalos continuaram a ser utilizadas para o transporte de pessoas e mercadorias, especialmente nas cidades. O transporte de carga em longas distâncias, no entanto, era feito por trem ou navio.

Segundo o registro feito no ‘Livro da Comissão’ de 11 de março de 1899, o caminhão cardã Daimler de 1899 foi entregue à “Obra Municipal de Água de Stuttgart”, onde serviu lealmente entre 1899 e 1923.

Daimler de 1899
Foto tirada na passagem subterrânea perto da estação ferroviária de Cannstatt

Foto tirada na passagem subterrânea perto da estação ferroviária de Cannstatt nos leva de volta àquela época: na frente, em um táxi aberto, está o motorista com um trabalhador parado na parte de trás da plataforma. Ao lado dele está um enorme torno dispositivo para cortar tubos e fios — naquela época, as ferramentas essenciais para colocar canos de água, que eram em sua maioria feitos de metal.

Após 24 anos, a Stuttgart Water Works substituiu o caminhão por um modelo mais recente. Ele o devolveu à Daimler-Motoren-Gesellschaft em 1923. Na época, já passou a fazer parte do acervo do museu.

Leia também:

Série Especial Night Edition marca os 5 anos da Geração Titanium de implementos rodoviários da Noma do Brasil

À medida que os bombardeios se intensificaram em Untertürkheim em 1944, por certo, parte da coleção do museu foi transferida para Dresden.

Durante a subsequente ocupação da Alemanha, ademais, nos anos anteriores à reunificação, todas as tentativas de devolver o veículo a Stuttgart falharam.

Daimler de 1899
Os caminhões Mercedes-Benz atuais possuem modernos sistemas de freios. Mas, veja como era há 125 anos

Foi somente quando o Muro de Berlim caiu, em 1989, que a Daimler-Benz AG, como era então conhecida, conseguiu chegar a um acordo com o Estado Livre da Saxônia em 1991, após dois anos de negociações para devolver 16 veículos históricos, incluindo o cardã Daimler.

O caminhão de 1899, para o museu após 63 anos. Como parte da cisão da Daimler Truck AG, o veículo foi transferido para o inventário da Mercedes-Benz Trucks Classic, onde é alojado e cuidado seguramente desde então.

Visualmente, o caminhão cardã Daimler de 1899 se assemelha a uma carruagem puxada por cavalos sem mastro. Por certo, uma grande porta elevatória sobre rodas de madeira com motor de combustão.

Apenas três anos após a entrega do primeiro caminhão, já se desenvolveu significativamente a sua tecnologia. Certamente, até hoje é relevante nas suas características básicas.

Ao contrário do primeiro e do segundo, não se instalava mais a tração do caminhão cardã Daimler 1899 na parte traseira. Assim como, na estrutura do veículo sob a cabine. Isso se mostrou impraticável ao carregar pela parte traseira. Sobretudo, colocou-se na frente do veículo, sobre o eixo dianteiro.

Leia mais:

TRICICLO PIAGGIO APÉ CARGO É NOVA SOLUÇÃO PARA ENTREGAS URBANAS

Agora dirigia-se o caminhão por meio de uma caixa de direção em vez de correntes. A transmissão de força por meio de pinhões na roda, certamente, antecipou o moderno eixo de redução do cubo planetário.

As características que eram o que havia de mais moderno em 1899 incluíam o resfriamento eficiente do motor por meio de um radiador tubular e freios que atuam nas duas rodas traseiras, bem como na caixa de redução. Ter freios apenas no eixo traseiro continuaria sendo comum por muitos anos.

No folheto de vendas da época, por certo, oferecia-se o caminhão cardã Daimler de 1899 com “motor de 2 ou 4 cilindros”. Agora também com “ignição elétrica”.

A produção desses veículos comerciais e de entrega variava de 4, 6, 8, 10 a 12 cavalos de potência. Os veículos, ademais, receberam capacidades de carga útil de 1.550, 2.500, 3.750 e 5.000 quilogramas. “As rodas estão equipadas com pneus de ferro”, lê-se na descrição. Nos paralelepípedos comuns na época, o barulho era enorme.

Nos siga no LinkedIn!

- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui