quarta-feira, maio 22, 2024

MERCADO: O MELHOR ANO E O PIOR ANO DAS MARCAS DE PESADOS

A DAF Caminhões comemorou 30 mil unidades produzidas em sua fábrica de Ponta Grossa (PR) no acumulado desde 2013. Qual foi o melhor ano em emplacamentos da DAF no mercado brasileiro? E das demais marcas do segmento de pesados? E qual foi o pior ano? Vamos responder abaixo com base nos dados do Anuário da Anfavea, associação que representa esta indústria.

O caminhão de número 30 mil foi o DAF XF FTS 6×2 comprado pela Transportadora Boa Viagem e entregue em cerimonial na fábrica para os representantes da empresa, Wilson Sturmer e Juliano de Souza.

O melhor e o pior ano entre 2002 e 2022

Nos siga no LinkedIn!

No quadro abaixo, excluímos os dois primeiros anos da estatística, por ser o período de início e sempre é em baixa escala. Também consideramos apenas as duas últimas décadas, pois as condições econômicas do Brasil anteriores são muito diversos dos últimos 20 anos.

Tabela

MarcaMelhor AnoPior Ano2022 x Melhor Ano
DAF2022, com 6.793 unidades produzidas e emplacadasApós os dois primeiros anos, no terceiro, em 2016, teve 672 unidades licenciadasA história da DAF difere das demais marcas. Ela, desde que começou a produção, cresce de forma contínua. Portanto, 2022 é o melhor ano da marca e ela já aponta tendência para que 2023 seja melhor do que o ano anterior, já que o primeiro semestre de 2023 foi 18,2% maior para a marca em relação ao mesmo período de 2022
Caoa Hyundai2015, com 893 produzidas do modelo HD752017, com apenas 12 unidades, uma queda de 98,7% em relação ao melhor ano anterior ao pior.Em 2022, a Caoa Hyundai emplacou 244 caminhões HD80, único modelo da marca, uma queda de 72,7%
IvecoEm 2011, com 14.155 caminhõesEm 2003, com 1.705 unidades, portanto, 647 a menos do que o ano anterior, ou queda de 27,5%.No ano passado, a Iveco emplacou 10.609, queda de 25,1%
Mercedes-BenzEm 2011, com 39.837 unidades2017, com 13.293 caminhões. Em comparação com 2011, a queda foi de 66,6%Em 2022, a Mercedes-Benz teve 30.563 licenciamentos de caminhões, queda de 23,3%
ScaniaEm 2013, com 19.659 caminhões emplacadosEm 2003, com 3.453 unidades, após ter tido volume de 6.977 em 1997Em 2022, a Scania emplacou 13.193 unidades, com queda de 32,9%
Volkswagen CaminhõesEm 2011, com 50.824 unidadesEm 2016, com 13.686 caminhõesEm 2022, a VWCO teve 34.506, queda de 32,1%
VolvoEm 2022, com 24.091 unidadesEm 2002, com 4.213 caminhõesA Volvo teve o melhor ano em 2022

Leia também: ANFIR: ANUÁRIO 2023 DA INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS RODOVIÁRIOS

Ranking em percentual

O mercado de caminhões, apesar do atual ambiente adverso de desafios, será impactado positivamente nos próximos meses. Já foram anunciados diversos investimentos em indústrias, agronegócio, mineração, infraestrutura, energia e logística, sinalizam um potencial muito grande de voltar ao crescimento. Assim, temos o ranking das marcas que tiveram a maior queda em relação ao melhor resultado próprio, sinalizando, qual patamar deve voltar a crescer.

MarcaPercentual da queda
Caoa Hyundai-72,1%
Scania-32,9%
VWCO-32,1%
Iveco-25,1%
Mercedes-Benz-23,3%
DAF0,0%
Volvo0,0%
Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui