sábado, maio 25, 2024

Eneva, Virtu GNL lideram projeto de corredor logístico com caminhões Scania movidos a GNL

Um projeto inovador de transporte de cargas movido a gás natural liquefeito (GNL) está sendo desenvolvido no Brasil pelas empresas Eneva, Virtu GNL e Scania. O objetivo é criar um corredor logístico tendo o combustível GNL como fonte de energia para um transporte mais limpo e com menor custo operacional nas regiões Norte e Nordeste do país.

O projeto prevê a utilização de caminhões movidos a GNL, abastecidos por postos da Virtu GNL, que receberão o combustível da Eneva, produtora de gás natural no interior do Amazonas. A Scania é responsável pela fabricação dos veículos, sendo pioneira no Brasil em produção deste modelo em escala comercial.

Para isso, a Eneva e Virtu GNL realizam a maior compra de 180 caminhões pesados a GNL, sendo o maior volume de aquisição na América Latina até o momento. A maior vantagem do GNL em relação ao GNV é a maior autonomia.

Maior autonomia

O GNL é uma forma de armazenar o gás natural em estado líquido, reduzindo seu volume em cerca de 600 vezes. Isso facilita o transporte e o abastecimento dos veículos, que podem rodar até 1.100 km sem precisar reabastecer. Além disso, o GNL emite cerca de 20% menos CO₂ do que o diesel, contribuindo para a redução das emissões de gases de efeito estufa.

A iniciativa é um exemplo de como o gás natural pode ser um vetor de desenvolvimento para o Brasil, gerando empregos, renda e infraestrutura para as regiões Norte e Nordeste.

A visão dos executivos

“A operação dá início à viabilização dos corredores verdes no Brasil, com caminhões movidos a GNL em substituição ao diesel. Além de promover a redução de emissões de CO₂, reduz também as emissões de NOx e material particulado. O total desse mercado, se somadas as principais rotas ao redor da área de influência do complexo do Parnaíba, equivale a 9 milhões de metros cúbicos de gás natural/dia, e tem um enorme potencial de crescimento. Essa cadeia de valor pode se tornar um dos principais veículos de monetização das reservas de gás natural da Eneva, depois da geração termelétrica. Cada 10% deste novo mercado seriam equivalentes a aproximadamente 1 milhão de metros cúbicos de gás natural por dia”, enfatizou o CEO da Eneva, Lino Cançado.

“Temos como objetivo ser o principal fornecedor de GNL nesse novo mercado, com a venda desse combustível para frotas de caminhões. Trata-se de um negócio com grande potencial de crescimento e geração de caixa para a companhia que contribui no processo de descarbonização do segmento de transporte no país”, complementou o diretor de Marketing, Comercialização e Novos Negócios da Eneva, Marcelo Lopes.

Eneva
Lino Cançado, CEO da Eneva, José de Moura Jr.,CEO da Virtu GNL, Alex Nucci, Alex Nucci, diretor de Vendas de Soluções da Scania Operações Comerciais Brasil, e Simone Montagna, CEO da Scania Operações Comerciais Brasil

Maior frota de GNL do Brasil

No total, foi assinado o contrato de compra de 180 veículos. São 30 deles para a GNL Brasil, uma joint venture da Eneva com a Virtu, que serão utilizados para atendimento aos contratos firmados pela empresa para a venda de GNL em pequena escala (SSLNG) para Vale e Suzano (contratos firmados em 2022), em suas instalações industriais no Maranhão.

Os demais 150 caminhões foram adquiridos pela Virtu GNL e serão destinados a um novo serviço a ser iniciado a partir de agosto de 2024, abastecidos com gás fornecido pela Eneva, produzido no mesmo estado. Trata-se do maior contrato de venda de caminhões a GNL já realizado na América Latina.

A Virtu GNL é especializada em transporte de gás natural liquefeito e atua como um meio de transporte complementar aos gasodutos. Com esta parceria, a companhia amplia seu escopo de atuação, oferecendo o transporte para clientes comprometidos com a agenda net zero. A primeira fase do seu projeto será iniciada pela Rota do Matopiba, que compreende os estados Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, de produtos que serão escoados pelo Porto de Itaqui, em São Luís (MA).

“Este é um projeto pioneiro, o maior de descarbonização do transporte de longa distância do país. É uma solução logística disruptiva, sustentável e eficiente. Nessa primeira fase, a Virtu GNL implantará duas centrais de descarbonização nos municípios de Presidente Dutra e Balsas, no Maranhão, com investimento inicial de R$ 180 milhões para atuar como plataforma integrada no escoamento da produção. O projeto da Virtu GNL é criar o corredor verde de GNL do Norte ao Sul do Brasil, com investimento previsto de R$ 5,7 bilhões, que compreende 39 centrais de descarbonização e 5.300 cavalos mecânicos até 2030”, explica José de Moura Júnior, CEO da Virtu GNL.

Foco futuro no biometano

O setor de transporte e logística é o terceiro setor que mais emite gases de efeito estufa no país. A redução da pegada de carbono no escoamento de produtos é fundamental para alcançar o desafio de zerar as emissões das empresas. A substituição do diesel pelo gás natural promove redução de até 20% na emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE), além de mais 85% de NOX e particulados. Essa jornada pretende criar uma infraestrutura de abastecimento que permitirá a migração para os combustíveis mais sustentáveis, como biometano (biognl), no qual o Brasil se apresenta com potencial para ser o líder mundial.

“Para a Scania, ser a parceira escolhida para Eneva e Virtu GNL darem esse passo extremamente importante para o transporte sustentável no país, é motivo de orgulho. Certamente, isso reforça as soluções pensadas para atender os clientes de acordo com cada necessidade. Além disso, fortalece o propósito de liderar a transição para o transporte mais sustentável”, comenta Alex Nucci, diretor de Vendas de Soluções da Scania Brasil. “Temos o maior portfólio do mercado em termos de combustíveis alternativos ao diesel, mas não deixamos de olhar para a rentabilidade do cliente, entregando também máxima eficiência energética.”

Os 30 veículos iniciais são do modelo R 410, configuração 6×2, movidos a GNL. Eles são uma solução eficiente e, certamente, sustentável para operação de logística a longa distância. Equipados com dois tanques de 340 litros cada, esses caminhões oferecem desempenho e eficiência energética com o motor de 13 litros com seis cilindros. Isso, contando com 410 cv de potência a 1.900 rpm. Os demais 150 veículos, entregues no segundo semestre, serão do inédito modelo R 460, configuração 6×4, também movidos a GNL.

A especialização de cada empresa

A Eneva é a principal operadora privada de gás natural onshore no Brasil. Dessa forma, atuando desde a exploração e produção até o fornecimento de soluções de energia. Com ativos em diversos estados brasileiros, a empresa opera 12 campos de gás natural nas Bacias do Parnaíba (MA). Além disso, também em Amazonas (AM). Certamente, totalizando uma área de concessão superior a 63 mil km², a maior do Brasil. Possui um parque de geração com 5,95 GW de capacidade contratada. Certamente, incluindo termelétricas nos estados do Maranhão, Ceará, Sergipe, Roraima, e o Complexo Solar Futura na Bahia, que iniciou operação em 2023.

A Eneva destaca-se pelo seu modelo de negócio inovador Reservoir-to-Wire (R2W). Certamente, integrando geração térmica aos campos produtores de gás natural. Além disso, o SSLNG, que entrega Gás Natural Liquefeito em Pequena Escala a grandes clientes industriais por meio rodoviário, no formato Reservoir-to-Client (R2C). Listada na Bolsa brasileira desde 2007, a empresa integra o Ibovespa. Por certo, com o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), e visa uma transição energética responsável e segura.

A Virtu GNL é especializada em transporte de gás natural liquefeito. Ademais, ela atua como um meio de transporte complementar aos gasodutos. Por certo, também movimentando caminhões movidos a GNL em operações de longas distâncias, sobretudo nas regiões não contempladas pela malha dutoviária no Brasil. A empresa faz parte de um grupo com mais de 50 anos de história a fim de atuar nos pilares de segurança, confiabilidade e inovação. Assim como, com transporte de mais de 600 mil m³ de gás por dia e em 2024 rompe a barreira de 1 milhão de m³/dia. Neste projeto inovados, a Virtu GNL apresenta uma solução logística de emissão de baixo carbono para as companhias comprometidas, certamente, com a agenda net zero.

Pioneirismo

A Scania foi a pioneira no lançamento e, sobretudo, ainda a única fabricante no Brasil de caminhões movidos a gás. Os modelos foram lançados durante a Fenatran de 2019, até então, com tanques a GNV e/ou biometano. O grande diferencial da marca sueca, por fim, foi o desenvolvimento dos motores de ciclo Otto. Sobretudo, com desempenho em potência e torque equivalentes aos dos motores a diesel e produzidos em São Bernardo do Campo (SP).

Nos siga no LinkedIn!

- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui