domingo, maio 19, 2024

BOSCH VAI PRODUZIR CÉLULA DE COMBUSTÍVEL, MOTOR E HIDROGÊNIO VERDE

  • O que a Bosch informa sobre os planos dela para tecnologias a hidrogênio e R$ 13,3 bilhões de investimento
  • Produção em série da célula de combustível
  • Motor a combustão movido a hidrogênio
  • Produção do combustível hidrogênio

A Bosch, que no passado já considerou desistir dos altos investimentos para o desenvolvimento da tecnologia de célula de combustível, deu um importante passo rumo à era do hidrogênio. Ela iniciou a produção em série de seu sistema de acionamento por célula de combustível. Essa tecnologia promissora está sendo implantada em parceria com a empresa norte-americana Nikola, que será o cliente piloto, e a Iveco.

Contudo, a Bosch não se restringe apenas à célula de combustível como sua aposta para o futuro. Com uma visão ampla, a empresa está adotando o hidrogênio em diversas frentes e até mesmo planeja produzi-lo internamente, mostrando sua dedicação em tornar-se líder na indústria de tecnologias de hidrogênio.

Nos siga no LinkedIn!

Bosch
Célula de combustível em teste nos caminhões da Nikola e da Iveco

Em um anúncio efetuado na matriz, em Stuttgart-Feuerbach, na Alemanha, a Bosch divulgou suas projeções ambiciosas para o setor de hidrogênio. Espera-se que, até 2030, o grupo alcance vendas no valor de aproximadamente cinco bilhões de euros com suas diversas tecnologias relacionadas ao hidrogênio.

APOIE E CONTRIBUIÇÃO PARA O JORNALISMO INDEPENDENTE DO FROTA NEWS: PIX: apoiador@frotanews.com.br

A Bosch revelou que irá alocar quase 2,5 bilhões de euros (R$ 13,3 bilhões) de investimentos no desenvolvimento e produção de tecnologias de hidrogênio entre 2021 e 2026. Surpreendentemente, esse valor representa um aumento de um bilhão de euros em relação ao plano de investimentos originalmente projetado para o período de 2021 a 2024.

CAMINHÕES IVECO MOVIDOS A HIDROGÊNIO JÁ CONTAM COM POSTO PARA ABASTECIMENTO

Motor a combustão movido a hidrogênio

A produção em série do sistema de acionamento por célula de combustível não está restrita apenas a Feuerbach. A Bosch está simultaneamente iniciando a produção em Chongqing, na China, com os componentes essenciais vindo da fábrica de Wuxi. Esse movimento estratégico permite que a empresa aproveite as oportunidades de crescimento em um mercado-chave e diversifique suas operações globais.

Além do sistema de célula de combustível, a Bosch também está concentrando seus esforços no desenvolvimento de um motor a combustão movido a hidrogênio. Esse projeto inclui o aprimoramento do coletor de admissão e da injeção direta de H2, tornando o motor particularmente adequado para veículos pesados que transportam cargas pesadas por longos períodos.

O Dr. Markus Heyn, membro do conselho da Bosch e presidente da Bosch Mobility, ressalta que “o motor H2 pode fazer tudo o que o diesel realiza, porém, de maneira neutra em CO₂. Ele também possibilita uma rápida e econômica adoção da mobilidade com hidrogênio”. Assim, a expectativa é de que o motor H2 esteja disponível no mercado já em 2024.

A Bosch vai produzir também o hidrogênio verde

Quanto ao fornecimento de hidrogênio verde, a Bosch já está se preparando para ser um dos líderes nesse campo. Certamente, em 2023, a empresa iniciou a construção de protótipos do processo de eletrólise com membranas de troca de prótons. Ele se opõe à conversão de energia na célula a combustível móvel. Ademais, a Bosch planeja disponibilizar modelos funcionais de 1,25 megawatts para aplicações piloto a partir do final de 2024. Por fim, o início da produção em série está previsto para 2025.

Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui