segunda-feira, junho 24, 2024

MWM realiza a troca de motores a diesel por biometano para a Cocal

Produção Local: Produzir localmente reduz a necessidade de construir grandes extensões de linhas de gasodutos. A Cocal, empresa do setor sucroenergético. A saber, é mais uma empresa a trocar o motor a diesel por propulsor a gás biometano da MWM tanto para caminhões como em motobombas.

A iniciativa envolve a substituição de motores a diesel usados por motores movidos a biometano novos. Mantendo assim a eficiência em desempenho e com uma redução significativa em emissões de particulado e CO₂.

A transformação, planejada inicialmente em 2022, representa um avanço importante na descarbonização do setor. A MWM instalou novos motores 100% a gás e sistemas completos de alta pressão em 20 equipamentos da Cocal. A princípio, com potências variando entre 220 e 330 cavalos. Estes veículos e equipamentos agora operam exclusivamente com biometano, um combustível sustentável produzido a partir dos resíduos da cana-de-açúcar.

Leia também:

Série Especial Night Edition marca os 5 anos da Geração Titanium de implementos rodoviários da Noma do Brasil

Cristian Malevic, diretor de Descarbonização da MWM, destacou a importância dessa iniciativa. “Além da redução do impacto ambiental, há outros benefícios, como a simplificação da manutenção e reposição de peças, com cerca de 85% dos componentes idênticos aos utilizados nos motores a diesel. E a similaridade no consumo, torque e potência em relação aos motores a diesel garante desempenho e eficiência,” explicou Malevic.

A planta da Cocal em Narandiba (SP) converte a vinhaça e a torta de filtro, resíduos da produção de cana, em biogás e gera biometano a partir dele. Este gás renovável é então distribuído para os clientes por meio de carretas ou gasodutos, além de abastecer a frota da própria empresa, reduzindo o consumo de diesel durante a safra.

Jurandir de Oliveira, diretor agrícola da Cocal, comentou sobre os desafios e benefícios dessa tecnologia. “Nosso principal desafio na utilização de equipamentos a biometano no campo está na autonomia e logística de abastecimento. Por isso, estamos ao lado da MWM para buscar soluções que viabilizem cada vez mais a operação em larga escala. Na última safra, que se encerrou em março de 2024, a Cocal atingiu o consumo total de 685 mil m³ de biometano na própria frota — o equivalente a 1.900 toneladas de CO₂ que deixaram de ser emitidas na atmosfera,” afirmou Oliveira.

Aliás, a Cocal vem investindo na transição energética de caminhões a diesel para biometano desde 2020, quando começou a utilização de caminhões Scania R 410 movidos a gás em parceria com a Lots Group, empresa de logística do Grupo Scania.

Algumas vantagens do uso do biometano no lugar do diesel e do gás natural veicular:

O biometano é um combustível renovável derivado do biogás. Ele é produzido a partir da purificação do biogás, eliminando assim o alto teor de carbono e originando um combustível semelhante ao gás natural. Comparado ao gás natural, o biometano oferece várias vantagens:

  1. Economia Verde: Ao produzir biometano a partir de resíduos orgânicos, promovemos uma economia circular renovável e sustentável e contribuímos para a gestão sustentável desses materiais.
  2. Redução de Emissões: O uso de biometano diminui as emissões de dióxido de carbono e metano na atmosfera em comparação com o gás natural e o diesel.
  3. Gestão de Resíduos: O biometano é uma solução inteligente para a gestão de resíduos orgânicos, transformando-os em energia útil e evitando o envio desses resíduos para lixões.
  4. Produção Local: Produzir localmente reduz a necessidade de construir grandes extensões de linhas de gasodutos. Já dezenas de empresas que estão investindo na produção local do biometano.
  5. Melhoria da Qualidade de Vida: Ao reduzir o lançamento de metano na atmosfera, o biometano contribui para melhorar a qualidade do ar e a saúde da população.

No siga no LinkedIn!

Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui