quarta-feira, maio 22, 2024

Faixa Azul: com zero fatalidade após um ano de teste, corredor será ampliado

O corredor para motos é uma prática que consiste em permitir que as motocicletas circulem entre as faixas de trânsito, aproveitando o espaço vazio entre os carros. As cidades que adotaram de forma regulamentada obtiveram grande sucesso, como as cidades na Califórnia, desde 2016, e na Austrália. A adoção do corredor regulamentado como Faixa Azul na Av. 23 de Maio, em São Paulo, reduziu de 12 fatalidades para zero vítima após um ano da regulamentação.

No último dia 28/09, o Governo Federal, por meio do Ministério dos Transportes, em parceria com a Prefeitura de São Paulo, deu autorização para a ampliação do projeto Faixa Azul, que visa aumentar a segurança dos motociclistas em 17 avenidas da capital paulista.

O ministro Renan Filho enfatizou a importância da parceria entre o governo federal e municipal para promover a segurança no trânsito. “Achamos fundamental estimular os municípios a tomarem iniciativas para aumentar a segurança no trânsito. Com a prefeitura de São Paulo, que solicitou o uso da sinalização experimental, queremos avançar na redução de sinistros e evitar mortes no trânsito”, disse o ministro.

11 avenidas

A portaria assinada durante o evento não apenas ampliou a ação para quatro novos trechos, somando mais 11 avenidas ao projeto, como também renovou as autorizações para o uso da sinalização nas seis avenidas já atendidas.

Adrualdo Catão, secretário nacional de Trânsito, destacou o compromisso em apoiar projetos inovadores que visam a redução de mortes no trânsito. “É compromisso nosso na Senatran darmos prioridade a projetos que são inovadores e apontam um caminho para reduzir as mortes no trânsito, além de proteger os mais vulneráveis, como motociclistas, ciclistas e pedestres”, comentou.

Leia também:

Noma do Brasil recebe Certificado de Energia Renovável 2023 Eco Ludfor

As novas avenidas

Trecho 1: – Avenidas Sumaré/Avenida Paulo VI e Avenida das Nações Unidas sentido Castelo Branco, entre Rua Prof. Campos de Oliveira e a Avenida Pe. José Maria;

– Avenida das Nações Unidas sentido Interlagos, entre a Avenida Mario Lopes Leão e rua Prof. Campos de Oliveira.

Trecho 2: – Avenida Brigadeiro Faria Lima; – Avenida Zaki Narchi; – Avenida Luiz Dumont Villares.

Trecho 3: – Av. Miguel Yunes. Trecho 4: – Avenida Jacu Pêssego; – Avenida Nova Trabalhadores; – Avenida Vice-presidente José de Alencar Gomes da Silva; – Avenida do Estado.

Leia também:

TRICICLO PIAGGIO APÉ CARGO É NOVA SOLUÇÃO PARA ENTREGAS URBANAS

Sonho realizado

Gilberto Almeida dos Santos, presidente do Sindicato dos Mensageiros, Motociclistas, Ciclistas e Mototaxistas Intermunicipal do Estado de São Paulo (SindimotoSP), expressou seu entusiasmo com a iniciativa. “É um sonho realizado, sendo ter uma sinalização, um lugar digno para as motos andarem. Esperamos que, através dessa sinalização, o qual é a faixa azul, a gente possa vir reduzir o número de acidentes e salvar vidas, o que a gente mais busca.”

No entanto, a implantação das novas faixas exige o atendimento de uma série de condições pré-estabelecidas pela Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran). As larguras das faixas devem ser de, no mínimo, 1,10 metro entre eixos da sinalização horizontal para limite de velocidade de 50 km/h. E de 1,20 metro para limite de velocidade de 60 km/h.

Com a implantação da Faixa Azul em mais avenidas da cidade de São Paulo, espera-se que a segurança dos motociclistas seja reforçada. Enfim, contribuindo para a redução de acidentes e, consequentemente, salvando vidas no trânsito.

Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui