sábado, maio 25, 2024

Entenda o Programa Mover, que vai muito mais além da eletromobilidade

O Brasil inicia 2024 com uma boa perspectiva para o setor automotivo, que deve crescer 6,2% neste ano, conforme a Anfavea, entidade que representa as montadoras. O otimismo se deve ao lançamento do Mover (Mobilidade Verde e Inovação), o novo programa do Governo Federal que substitui o Rota 2030 e traz uma série de incentivos e exigências para o desenvolvimento da indústria automobilística nacional.

O Mover visa ampliar a sustentabilidade da frota automotiva brasileira, estimulando a produção de novas tecnologias nas áreas de mobilidade e logística, como veículos elétricos, híbridos, autônomos e conectados. Além disso, o programa promove o uso de biocombustíveis e energias alternativas, como o etanol, o biodiesel e o hidrogênio. O programa é para as indústrias de caminhões e ônibus também.

Leia também:

Mercado de Energia Livre e Sustentável disponível para pequenos e médios transportadores

Para isso, o Mover prevê um conjunto de regras que vão desde a expansão de investimentos em eficiência energética, até a criação do chamado “IPI Verde”, que cobra menos imposto de quem polui menos. O programa também estabelece limites mínimos de reciclagem na fabricação dos veículos, incentivando a economia circular e a redução de resíduos.

“Nessa etapa, o programa quer incentivar a descarbonização dos veículos brasileiros. Será com estímulo à produção de novas tecnologias, a promoção do uso de biocombustíveis e energias alternativas,” explica Denys Cabral, Head de Inovação Automotiva da Becomex, empresa brasileira de tecnologia e negócios que trabalha há 16 anos no mercado e atende diversas montadoras.

Segundo Cabral, o Mover beneficiará o setor automotivo de várias formas, como a redução de tributos, o aumento das vendas, a geração de empregos e a atualização das empresas que possuem plantas no país a utilizar inovação para produzir carros mais sustentáveis.

“O novo regime estabelece para todas as empresas envolvidas na cadeia automotiva a meta de reduzir em 50% as emissões de carbono até 2030. Isso, com requisitos mínimos para os veículos saírem das fábricas mais econômicos, mais seguros e menos poluentes”, afirma Cabral.

Saiba mais:

Veículos elétricos: Roberto Drummond já avisava sobre as pedras no caminho

O Mover também oferece incentivos à indústria automobilística de até R$ 19 bilhões nos seus cinco anos de duração. Os investimentos serão convertidos em créditos financeiros. Em contrapartida, as empresas se comprometem a investir em pesquisa e desenvolvimento, com foco em soluções de mobilidade e logística.

Além disso, o programa estimula a realocação de plantas industriais de outros países no Brasil. Dessa forma, concedendo crédito financeiro equivalente ao imposto de importação incidente na transferência das células de produção e equipamentos. As empresas que vierem para cá também terão abatimentos em impostos relativos à exportação de produtos e sistemas elaborados no país.

Cabral destaca que o Mover é uma oportunidade para o Brasil se tornar um polo de inovação automotiva. Sobretudo, atraindo investimentos, gerando empregos e contribuindo para o desenvolvimento sustentável do país.

“O Mover é um programa que vai colocar o Brasil na vanguarda da mobilidade verde e inovação. Tudo a fim de alinhar com as tendências globais e com os compromissos do Acordo de Paris. É uma iniciativa que beneficiará não só o setor automotivo, mas toda a sociedade brasileira”, conclui Cabral.

Nos siga no LinkedIn!

Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui