domingo, maio 19, 2024

Maersk testa caminhões elétricos de dois fabricantes

Desde que a Volvo do Brasil apresentou o cavalo mecânico FM Electric na Fenatran de 2022, diversos embarcadores se interessaram pelo modelo. Ele pode atender operações com rotas fixas e com distâncias que a sua autonomia permite, ou até o dobro, tendo uma eletroposto na metade do caminho. Agora foi a Maersk que teve a iniciativa de demostrar o resultado com dois cavalos mecânicos de fabricantes distintos.

A Maersk não informou quais são os fabricantes dos modelos, mas, um deles, a foto divulgada por ela deixa claro que é um Volvo FM Electric, com avaliação positiva pela Citrosuco (link da reportagem).

A A.P. Moller – Maersk, uma das maiores empresas de logística e transporte de contêineres do mundo, realizou o projeto piloto por duas semanas. O objetivo principal foi analisar a viabilidade da eletrificação no transporte rodoviário de contêineres (FCL) e sua contribuição para a redução de emissões de carbono.

Leia também:

Noma do Brasil recebe Certificado de Energia Renovável 2023 Eco Ludfor

Duas rotas diferentes

O projeto piloto envolveu a colaboração com dois fabricantes distintos de caminhões elétricos no Brasil e ocorreu em duas rotas estratégicas. A primeira rota, com 100 quilômetros de extensão, conectou as regiões de Barueri, Barra Funda e São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, até o ponto de recarga localizado na cidade de São Bernardo do Campo. A segunda rota, com 230 quilômetros de ida e volta, ligou o Porto de Itapoá à cidade de Araquari, em Santa Catarina.

Karin Schoner, presidente para a Costa Leste da América do Sul na Maersk, enfatizou a importância da conectividade intermodal e da busca por soluções sustentáveis. “A conectividade intermodal é fundamental para conectar a população do Brasil com os produtos que chegam e são exportados nos portos. Com 60% dos brasileiros vivendo a menos de 200 km da costa, a cabotagem é vital, mas a integração de ferrovias, caminhões e centros de distribuição de apoio é fundamental para garantir uma logística integrada de ponta a ponta. A crescente necessidade de capacidade de transporte terrestre torna ainda mais importante garantir que também sejamos capazes de fornecer soluções sustentáveis para esses importantes meios de transporte na região”, disse o executivo

Para viabilizar o projeto piloto, a Maersk instalou estações de carregamento elétrico em suas áreas operacionais, garantindo o carregamento noturno dos caminhões elétricos. No entanto, a dependência de eletricidade renovável para o transporte terrestre está diretamente ligada a fatores como infraestrutura local e regulamentações regionais, que atualmente limitam a disponibilidade de veículos elétricos e soluções de combustíveis alternativos.

segurança em transporte
Curso com professores altamente qualificados

Desafios até 2040

A Maersk, comprometida com a neutralidade de carbono até 2040, está priorizando a eletrificação em caminhões pesados, colaborando com clientes que utilizam fontes de eletricidade 100% renováveis e buscando oportunidades para reduzir emissões de carbono no transporte rodoviário.

Alexis Rodríguez, Head de Execução de Transição Energética para América Latina na Maersk, destacou a importância desse projeto. “Este piloto facilitará o teste e o desenvolvimento de soluções sustentáveis para nossos clientes, que podem ajudá-los a cumprir seus objetivos ambientais e de ESG. Em nossa jornada para alcançar o net-zero até 2040, a Maersk continuará buscando soluções sustentáveis na América Latina, para atender tanto à crescente demanda de nossos clientes por uma logística integrada de ponta a ponta mais limpa, quanto para cumprir nossos próprios compromissos de descarbonização.”

A demanda por práticas comerciais mais sustentáveis vem crescendo entre consumidores e clientes. A Maersk conta com mais da metade dos 200 principais clientes comprometidos com o Pacto Global da ONU. Decerto, com Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas até 2030. A Maersk está ativamente explorando oportunidades em regiões onde a infraestrutura de redução de emissões ainda não está prontamente disponível. Agora, com os resultados do teste piloto no Brasil, busca integrar essas soluções ao seu portfólio de produtos na região. Assim, poder oferecer aos clientes opções mais amplas de transporte sustentável.

- Publicidade -
Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui