segunda-feira, junho 24, 2024

Caminhão elétrico chinês: O impacto do Windrose EV no transporte europeu

Enquanto muitos fabricantes ocidentais estão lutando para ter caminhões elétricos (eficientes) prontos para produção ou entrega, o Windrose apareceu repentinamente neste ano. Uma marca chinesa totalmente nova e com grandes ambições, também para o mercado da Europa Ocidental. A revista holandesa TTM.nl conheceu o Windrose EV e as pessoas por trás dele. A fabricante chinesa faz parte do mesmo grupo das lojas de artigos esportivos Decathlon, bastante conhecida no Brasil.

Texto: Arjan Velthoven | Fotos: TTM.NL | Tradução: Marcos Villela

De repente, o Windrose EV estava lá. Já corria na França pela Decathlon e na Bélgica. A Windrose Technology, como é oficialmente chamada a empresa, conseguiu atrair Gilbert de Clerq, um dos maiores operadores logísticos da Bélgica, como cliente piloto. O porto de Antuérpia foi examinado e Windrose tornou-se o principal patrocinador do time de basquete Antwerp Giants. Enquanto isso, o CEO chinês, Wen Han, particularmente franco e acessível, fazia holofotes e aparições na mídia com frequência.

Pioneiros

Resumindo, Windrose quer se mostrar. E quando o TTM.nl tem a oportunidade de se encontrar com o fabricante e o veículo em Pijnacker, não dizemos não. O local: as instalações comerciais da HN Post & Zn. No início da semana, Windrose já conheceu os e-pioneiros de Breytner em Rotterdam. Marie-José e Jeroen Baartmans da Breytner estão lá novamente agora, com Dé e Marco Post da H.N. Post. Juntos, os primos têm seis caminhões elétricos e estão construindo uma praça de recarga que deverá acomodar de 30 a 50 caminhões elétricos no futuro.

Clone de Tesla

Enquanto dentro da Windrose encontra as empresas de transporte, do lado de fora o caminhão Windrose EV para em frente às instalações. E é óbvio: o Windrose se parece muito com o Tesla Semi. “Sabemos disso e isso não é algo ruim. Também vemos o Tesla Semi como nosso principal concorrente”, diz Eric Gauthier, responsável pelo lançamento do Windrose na Europa.

“Fabricantes europeus de caminhões? Eles não podem fazer com seus caminhões elétricos o que nós podemos.” Com isso, Gauthier parece um tanto arrogante, então daremos uma olhada no caminhão parado do lado de fora. Em primeiro lugar, é um veículo longo e alto. O caminhão em si tem 3,90 m de altura e 8,10 m de comprimento. Depois da já longa cabine, vem um chassi com um total de três eixos. Nos eixos traseiros há dois motores elétricos cada, que proporcionam uma potência máxima de 1.400 cv. Isso é inegavelmente mais do que qualquer caminhão elétrico europeu. A bateria consiste em três packs de dois módulos de bateria cada, com capacidade para seis módulos no total e 729 kWh a uma tensão de 800 V. A bateria, fornecida por um fornecedor externo, é suficiente para uma autonomia de 670 km com um peso total de 49 toneladas.

São números impressionantes. Mas a Tesla também exibe números impressionantes, mas ainda não divulgou o peso do seu cavalo mecânico. “Somos melhores que Tesla”, diz novamente Howard Huang, da Windrose. Ele leva o Windrose EV e nós até a báscula em Renewi, algumas ruas abaixo do quarteirão. Um peso de 11 toneladas, comparável aos e-trucks europeus, embora em configurações 4×2. Além disso, a Windrose também está muito orgulhosa do coeficiente de arrasto do seu e-truck, que em 0,275 é consideravelmente inferior ao do Semi (0,36).

Cama

A cabine do Windrose EV é grande. Pegamos a fita métrica e medimos 2,80 metros metro de comprimento, 2,20 metros de largura e 2,45 metros de altura. A cama, com colchão fino, tem 88 cm de largura. Um segundo assento está agora opcionalmente instalado. Encostados à parede posterior, vemos três grandes armários. Sob o para-brisa inclinado, há um painel razoavelmente largo, com bastante espaço de armazenamento e número mínimo de botões. No entanto, vemos muitas telas. Um display de instrumentos logo atrás do volante e duas telas grandes em cada lado do volante.

O Windrose EV só tem câmeras, então há telas na cabine para isso também. Uma pequena câmera está voltada para o motorista. Nem todo motorista gosta disso, e é questionável se você tem permissão para observar um motorista com uma câmera. Esse motorista, mais uma vez como acontece com o Tesla, senta-se em uma posição central na cabine. Essa é uma possibilidade, sabemos da Volta Zero, mas nem sempre é prática. Em pedágios ou estacionamentos de caminhões, por exemplo. Então você tem que sair do seu lugar e ir até a janela da esquerda para pegar um ingresso. Uma porta tem Windrose EV à direita e olha, é igual à do Tesla Semi.

Lá vamos nós

Depois de todas as explicações sobre o Windrose EV, daremos uma volta. Mas para fazer com que pareça um pouco real, um semirreboque carregado com pedra do HN Post está engatado atrás do Windrose. Passamos novamente pelo Renewi e pesamos um total de 29,7 mil kg. É um reboque curto e ainda bem, porque com um semirreboque de seis eixos nem todas as curvas são fáceis de percorrer. No entanto, o driver de demonstração pode se orientar bem dentro e ao redor de Pijnacker. Também pegamos a rodovia por um tempo. Como qualquer outro caminhão elétrico, o Windrose é silencioso. Porém, este chinês também é muito poderoso, mesmo sendo uma combinação de 30 toneladas.

Resumidamente, nós mesmos podemos dirigi-lo. Estamos acostumados com a posição central do assento muito rapidamente. As telas são fáceis de ler, assim como as telas das câmeras. Atrás do volante, encontramos nadadeiras que permitem boa regeneração em velocidades mais baixas. É um primeiro encontro agradável com esta Windrose.

Seriamente?

Duas questões permanecem. Primeiro: o que você deveria fazer na Holanda com um caminhão longo estilo americano 6×4? A resposta para isso é dada pelo próprio Windrose. “No quarto trimestre deste ano, pretendemos também lançar uma especificação europeia 4×2. Terá um comprimento estimado de 7,4 metros. Por ter um eixo a menos, também terá menos potência, mas ainda assim 520 cv. O peso diminuirá então para cerca de 9,5 toneladas. O que resta é que o Windrose EV tem portas de carregamento das baterias na esquerda e na direita, e está pronto para carregamento de megawatts”, explica Guang.

A segunda questão, então: quão seriamente devemos considerar o Windrose? Por enquanto, a empresa parece estar procurando empresas de transporte para estabelecer parcerias e investidores adicionais. “Isso mesmo”, diz Eric Gauthier. “Estamos procurando parceiros. Precisamos de investimento para montar uma rede de distribuição e pós-venda. Financeiramente, temos uma base sólida. Queremos estrear na Bolsa de Valores de Nova York ainda este ano.”

A Windrose é sincera e ambiciosa. Ninguém sabe como essa ambição se concretizará. No entanto, o fato é que Windrose tem um caminhão elétrico com especificações superiores rodando na Holanda. E isso é mais do que Tesla pode dizer.

Windrose
Avançado sistema de câmeras e telas, e posição central do motorista
Arjan Velthoven, jornalista da revista holandesa TTM.nl, membro do jury do ITOY

Nos siga no LinkedIn!

- Publicidade -

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui