quarta-feira, julho 24, 2024
- Publicidade -

Pesquisa sobre sustentabilidade rural e urbana na Amazônia é premiada pela Volvo

- Publicidade -

A vasta região amazônica é central para o debate global sobre a criação de um clima estável e a manutenção da biodiversidade. Mas não podemos lidar com a sustentabilidade na Amazônia se não enfrentarmos as realidades rurais e urbanas da região de pobreza, violência e necessidade de desenvolvimento econômico. Essa é a mensagem de Eduardo Brondizio, professor antropólogo brasileiro da Universidade de Indiana, em Bloomington, EUA, e ganhador do Prêmio Volvo de Meio Ambiente em 2023.

Há mais de 30 anos, a pesquisa de Eduardo Brondizio documentou e analisou o desenvolvimento e os desafios ambientais da Amazônia. Ele examinou questões de uso da terra, desmatamento, mudanças climáticas e produção de alimentos — e como elas impactam as populações indígenas, rurais e urbanas.

sustentabilidade
Professor antropólogo brasileiro, Eduardo Brondizio

As populações na Amazônia

Que a região amazônica consiste principalmente de florestas tropicais intocadas com pequenos grupos de povos indígenas é um mito. A maioria das pessoas sabe que a maior floresta tropical do mundo está na Amazônia, mas as cidades raramente estão no centro das atenções globais. Quase 80% dos trinta milhões de habitantes da bacia amazônica brasileira vivem em cidades, que são frequentemente muito pobres.

Leia também:

Noma do Brasil recebe Certificado de Energia Renovável 2023 Eco Ludfor

“Infelizmente, os problemas da Amazônia urbana são em grande parte invisíveis, mas precisam ser destacados se quisermos enfrentar os desafios de sustentabilidade da região”, diz Eduardo Brondizio.

Os seres humanos têm impactado a natureza lá há séculos, como durante o enorme boom econômico da produção de borracha no século XIX. As culturas essenciais na economia agrícola global, como o cacau, a mandioca e o amendoim, também se originam da domesticação das culturas da floresta tropical.

“A Amazônia faz parte da história global da economia e do comércio de recursos há mais de 400 anos, e essa história ainda está lá”, diz Eduardo Brondizio.

Estudos do passado para planejar o futuro

“Quando falamos sobre a Amazônia hoje, tendemos a pensar nas últimas décadas, quando os problemas de desmatamento surgiram. Mas a Amazônia tem uma história profunda onde os povos da região desenvolveram sistemas de produção intensivos com a floresta sem destruí-la.”

Um desses sistemas hoje é a produção de Açaí, um fruto popular de uma palmeira, muito procurado não só no Brasil, mas exportado para todo o mundo. O açaí é muitas vezes produzido localmente em comunidades ao longo do rio Amazonas através de sistemas agroflorestais, que cultivam muitas culturas no mesmo local.

Não é uma panaceia, mas oferece um caminho a seguir para a Amazônia, acredita Eduardo Brondizio.

“A agrossilvicultura em pequena escala é bastante produtiva”, diz ele. Ele está convencido de que o futuro da Amazônia depende da criação do uso sustentável da floresta. Contudo, os fundos provenientes do cultivo precisam de beneficiar mais a população local; caso contrário, os problemas continuarão a crescer.

Hoje, nos mais altos níveis, discutem-se investimentos em segurança climática e biodiversidade, e a região amazônica desempenha um papel fundamental.

“Mas para que tenha sucesso, as condições sociais devem melhorar e precisamos de ver como as pessoas que vivem aqui podem encontrar os melhores requisitos para caminhos de desenvolvimento mais sustentáveis ​​e inclusivos”, afirma Eduardo Brondizio.

O júri do Prêmio Ambiental Volvo afirma na sua motivação:

“Eduardo Brondizio é um líder mundial em pensamento sistêmico complexo, que está inserido em uma abordagem etnográfica. Ele fez extensas contribuições para o desenvolvimento de políticas através do envolvimento com a Avaliação Ecossistêmica do Milênio e a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES).

Desde a primeira atribuição, há 34 anos, o Prêmio Ambiental Volvo tornou-se um dos prêmios ambientais mais respeitados do mundo científico. A cerimônia de premiação e um seminário transmitirão ao vivo o prêmio em Gotemburgo, na Suécia, no dia 22 de novembro.

Para obter mais informações sobre o laureado de 2023, o prêmio e como participar do seminário online e, por fim, da cerimônia de premiação, acesse www.environment-prize.com.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui