quarta-feira, julho 24, 2024
- Publicidade -

Exportações da VWCO se destacam em meio ao desafio do ‘Custo Brasil’  

- Publicidade -

O cenário das exportações brasileiras de veículos enfrenta um desafio significativo devido ao chamado ‘Custo Brasil’. Que reduz a competitividade do país no mercado internacional para produtos industrializados. A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) revisou suas projeções de desempenho da indústria para 2024. Mantendo assim, as projeções de exportações em níveis baixos, com uma expectativa de 22 mil unidades para o ano, abrangendo todos os tipos de veículos. A entidade, sempre lembre que o ‘Custo Brasil’ é o desestímulo para exportações. No entanto, no segmento de caminhões, o Brasil apresenta uma exceção notável: a Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), que se destaca como a única fabricante nacional a exportar veículos comerciais para mais de 30 países. 

 Reforçando sua presença no mercado internacional e explorando novos destinos, a VWCO recentemente expandiu sua atuação na Costa Rica. A empresa entregou dois modelos e-Delivery de 14 toneladas. A saber, adquiridos pela Coca-Cola FEMSA, e dois Meteor 29.520, que agora fazem parte da frota das companhias Macasa e Renessa. 

Leia também:

Fabet-SP abre inscrições para 2ª edição do curso Gestão em Segurança de Transporte de 2024

 Os e-Delivery já estão em operação nas ruas da Costa Rica, atendendo ao segmento de distribuição urbana de bebidas. A FEMSA, uma das maiores frotistas de caminhões elétricos VW no Brasil e no exterior. Por certo, reafirma seu compromisso com a inovação e tecnologias sustentáveis com essa aquisição. 

Os caminhões Meteor têm aplicações distintas: o modelo destinado à Renessa será utilizado no transporte de combustível para aviação, enquanto o adquirido pela Macasa atuará no segmento de transporte de materiais de construção. “A estreia destes modelos em um novo país representa a referência de nossos produtos no Brasil e no mundo. Toda a nossa família de caminhões e ônibus é feita sob medida para a satisfação de nossos clientes, entregando conforto, segurança, tecnologia e robustez”, destaca Matheus Agi, consultor comercial da Volkswagen Caminhões e Ônibus. 

Assim, com presença em mais de 30 países, a VWCO continua a expandir sua estratégia de internacionalização. “A chegada do Meteor e do e-Delivery na Costa Rica amplia de forma significativa o nosso processo de buscar novos mercados, reforçar nossas parcerias de produção e conquistar a liderança nos países em que já atuamos. Seguimos avançando e buscando novas oportunidades de negócio”, afirma Juliano Ruggieri, gerente comercial da montadora. 

 Chile 

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) celebrou, recentemente, um marco significativo em sua trajetória no Chile, um dos seus principais mercados na América Latina. A montadora superou a marca de 25 mil unidades exportadas para o país, consolidando sua presença.  

Impulsionada pelo segmento de distribuição, a VWCO mantém uma forte presença no Chile em parceria com a Porsche Chile, importador que ocupa a 3ª posição no mercado chileno de caminhões e atende empresas líderes em seus setores. Afinal, as linhas Constellation e Delivery destacam-se como as mais vendidas no portfólio chileno. O Constellation 17.280, disponível em versões automatizada e mecânica, lidera as vendas, seguido pelo versátil Delivery 9.170. Renato Althmann, consultor comercial de Vendas Internacionais da VWCO, explica que esses modelos conquistaram o mercado devido à robustez, versatilidade e conforto, além do profundo entendimento das necessidades locais pelo importador. O Constellation 17.280, em particular, é muito apreciado no setor de mineração, que é um dos mais exigentes do país e contribui para a liderança do Chile no segmento na América Latina. 

Com mais de 180 mil unidades de caminhões e ônibus exportadas ao longo de sua história para os mais de 30 países. A Volkswagen Caminhões e Ônibus está determinada a continuar expandindo sua presença internacional e alcançar novos patamares. Com certeza, se a burocracia no Brasil fosse menor, portanto um ‘Custo Brasil’ menor, a competitividade brasileira seria muito maior.

Nos siga no LinkedIn!

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Marcos Villela Hochreiter
Marcos Villela Hochreiterhttps://www.frotanews.com.br
Sou jornalista no setor da mobilidade desde 1988, com atuações em jornais, nas áreas de comunicação da Fiat e da TV Globo, como editor da revista Transporte Mundial entre 2002 e maio de 2023, e com experiência em cobertura na área de transporte no Brasil e em cerca de 30 países. Representante do Brasil como membro associado do ITOY (International Truck of the Year), para troca de experiências e conteúdos jornalísticos. Mais, recente começou como colaborador do corpo docente na Fabet (entidade educacional sem fins lucrativos).
- Publicidade -

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Últimas notícias
você pode gostar:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui